segunda-feira, 17 de julho de 2017

Escaparate de ilusões

Atardo-me junto aos cremes de beleza, baralhada ante a variedade de marcas e a variedade de gamas em cada marca. Interesso-me pelas embalagens que prometem combater as rugas, pelas que asseguram esbater as manchas, pelas que afirmam reafirmar a pele, pelas que elevam a expectativa no levantar do que vai decaindo, pelas que preenchem a credulidade da reversão de uma certa perda de volume. Pego numa e noutra, e noutra ainda. Concentro-me na leitura dos rótulos tentando perceber qual mais me convirá. Analiso os destaques dos ingredientes. Aqui um ácido hialurónico, ali um colagénio. Procuro as indicações por idade, os a partir de e os entre esta e aquela. Procuro as indicações por tipo de pele. Leio cada linha, cada promessa. Atardo-me junto aos cremes de beleza, indecisa na escolha que hei de fazer, procurando a mais convincente jura de rejuvenescimento. Leio sabendo perfeitamente que, deste escaparate de ilusões, tanto me valerá este como aquele, que o tempo é uma miragem e que as palavras que em cada embalagem me acenam são menos que isso ainda. 

12 comentários:

Manu disse...

Revejo-me neste teu texto brilhantemente escrito.

Beijinhos

papoila disse...

Um autêntico sarilho, encontrar o certo!!!
E para mim certo é o que faz sentir bem hidratada porque não acredito em milagres :)))
Bjs

bea disse...

Acredito que existem cremes bons e muito caros. Que dão à pele um ar bem tratado (não rejuvenescem). Mas, embora cada um saiba de si, acho dinheiro mal empregue. Sou de pouca leitura e escolha. Até os de supermercado servem.

Victor Barão disse...

Independentemente da qualidade, do princípio, do propósito, do efeito, etc. dos cremes de beleza; o texto como de costume é excelente _ numa sequência que começa na ilusória avidez de encontrar o "creme" ou os "cremes" mais "adequados" e termina no pragmatismo da "miragem que o tempo é" e das "ainda menos palavras que em cada embalagem acenam"!

Parabéns, desde logo pela beleza interior, que salvo erro não necessita de prometedores cremes de beleza e que seguramente se reflectirá no exterior :)

Saudações

Gaja Maria disse...

Dizem que os efeitos estão relacionados com o preço mas eu cá tenho as minhas duvidas :)

Célia Rangel disse...

Li rindo o seu texto, pois já me peguei nessa encruzilhada do melhor antídoto para o que os anos da vida nos trazem gratuitamente... Ao entregar-me à realidade, de apenas hidratar o que resta... senti-me muito mais completa!
Abraço.

Catarina disse...

Podemos dispender horas a ler e a escolher. O resultado acaba por ser o mesmo.

Benó disse...

Numa perfumaria temos o conselho da empregada sobre esta ou aquela marca que terão este ou aquele efeito.No supermercado, somos nós entregues à nossa própria escolha. Aí, tenho em atenção a minha idade e o meu tipo de pele, de resto é olhar ao preço e não me esquecer de o usar todos os dias e todas as noite para obter o efeito que pretendo (?).

CCF disse...

Aceitar o envelhecimento é bem difícil mas esse é o verdadeiro trabalho.
~CC~

Janita disse...

Longe vão os tempos em que me preocupei com isso dos cremes para tudo e mais alguma coisa. ( e as rugas ficavam na mesma)
Quando descobri que o velhinho creme Nívea, aplicado na pele bem limpa e tonificada, me deixava fresca e com a pele mais lisa e rejuvenescida, proibi a minha filha de me oferecer cremes 'próprios para a minha idade'. :)

luisa disse...

Manu,
Obrigada pelo elogio. :) Acredito que todas passamos uma ou outra vez por este sentimento estranho face ao tempo que passa por nós.

Papoila,
Não há milagres, mesmo. Destes, pelo menos… :)

Bea,
Eu não acredito nem nos caros nem nos baratos. Por isso, opto preferencialmente pelos mais em conta. Mais efeito terá a genética associada ao estilo de vida e à alimentação. Por isso o que me faz falta é mesmo habituar-me às marcas do tempo. :)

Victor,
Obrigada. A beleza interior deverá provavelmente residir na nossa capacidade de nos aceitarmos, de aceitarmos os outros e de sermos felizes. :)

GM,
Eu também não acredito nisso. É só marketing.

Célia,
É isso mesmo. Para quê complicar. Limpar, hidratar e já está.

Catarina,
É mesmo assim, mas no fundo gostamos de nos iludir. :)

Benó,
Pois, depois de comprar, convém usar. Eu sempre fui um tanto descuidada com esta coisa de aplicar creme no rosto. Agora é que o tempo me parece cada vez mais curto é que começo a ter mais atenção. :)

CCF,
Seguramente. E eu estou num treino intensivo. :)

Janita,
A conclusão é mesmo essa. Com nívea ou com outra marca que nos agrade, não vale a pena termos ilusões. Basta que nos sintamos bem.





cantinhodacasa disse...

Faço minhas as suas palavras neste post tão bem escrito, Luísa.
Tendo usado ao longo dos anos, desde os mais baratos, de supermercado, aos caros e de marcas conceituadas, nunca percebi o porquê de, na mesma marca, haver creme para isto e aquilo, que me dificultava a escolha.
A partir de uma certa altura, deixei de dar importância à variedade, compro o que penso ser adequado à minha idade e pele ( recentemente comprei do Lidl e garanto que não fica nada atrás dos que alguma vez comprei).

Beijinho