segunda-feira, 28 de agosto de 2017

A gravata

A quatro mesas de intervalo, a mulher pousa o tabuleiro e senta-se virada de frente para mim. Conheço-a. Conheço-a. Conheço-a. Mas de onde? Mas de onde? Mas de onde? Na minha cabeça, a dúvida anda em círculos velozes a ponto de quase me entontecer. Prossigo a minha refeição em esforço mental até que o colega da mulher chega por sua vez à mesa e me salva. Não é propriamente ele que me salva. É a gravata verde que usa e que, lá do pescoço dele, me grita que a mulher é a que atende ao balcão da seguradora.


10 comentários:

Janita disse...

Conclusão: não reconheceste a mulher da Seguradora, e sim o homem que também lá trabalha e usa uma gravata verde! Ficou óbvio que a tua memória visual é muito selectiva e fortemente atraída pela cor verde!
Diagnóstico psicológico: Adoras notas de cem euros.

Depois mando a conta, Luísa!...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não conseguir "identificar " a pessoa no tempo e espaço acontece -me com alguma frequência e por vezes chego lá por associações muito estranhas. Ou melhor... pensava eu que eram estranhas antes de ler o seu post :-)

Pedro Coimbra disse...

Só prova que repara nos homens, não nas mulheres :)))

Victor Barão disse...

Também me acontece, quiçá mais do que o devido, não recordar de onde conheço diversas pessoas ou só recordar de onde as conheço já fora de tempo útil, em especial quando tenho de interagir com as mesmas ou então quando as próprias se dirigem a mim. E mas no meu caso jamais tive a sorte de haver uma "gravata verde" a fazer-me recordar... :)

bea disse...

Ninguém diria a priori que um aperto de gravata possa ser salvador. Mas acontece:).

Gaja Maria disse...

Eheheh vá lá correu bem. A mim normalmente só me ocorre no dia seguinte quem é a pessoa :)

Meu Velho Baú disse...

UI.....acontece-me tantas vezes , e Por vezes só chego lá tardiamente :(

luisa disse...

Janita,
Hahaha! Muito bom. E também interpretas sonhos?

Carlos,
Curiosidades do funcionamento da memória. :)

Pedro,
Em geral, reparo nas pessoas. Homens e mulheres. O caso é que a gravata do homem era a gravata da seguradora… :)

Victor,
São estes lapsos de memória e não fixar nomes das pessoas… Estou cada vez pior. :)

Bea,
Gravata poderosa, esta! :)

GM,
Olha que por vezes também levo dias a matutar nas coisas (pessoas ou palavras) de que não me consigo lembrar.

Meu Velho Baú,
Cada vez me acontece mais…

Janita disse...

Já sabes que sim, Luísa!!
Os sonhos do Manel Mau-Tempo, tenho-os interpretado todos e parece que a coisa tem batido certo. :)

redonda disse...

Já me aconteceu! Quando estava a iniciar um estágio e ia para cidade de trabalho de então de camionete a certa altura vejo um senhor que pensei conhecer e cumprimentei - só depois é que me lembrei que nós não nos conhecíamos apenas nos tínhamos encontrado algumas vezes na hora do almoço no mesmo restaurante :) a partir daí passámos a cumprimentar-nos como se nos conhecessemos :) (nem imagino o que é que ele terá pensado, se se terá lembrado de onde não nos conhecíamos)