domingo, 27 de agosto de 2017

T(r)emor

O solo estremecia sob a minha toalha de praia. A cada bum, bum, bum correspondia um passo de corrida do rapaz que vinha da água e se dirigia para o grupo familiar, mesmo na minha frente. Sentados em fila horizontal, pai, mãe, irmão já despachavam as suas bolas de Berlim. O rapaz pegou também numa e comeu-a de pé, costas viradas para o mar. Estava na minha hora e apressei-me a sair do areal antes que o rapaz voltasse a correr. Foi ontem. Entretanto, consultados os sites de notícias, verifico que nada de anormal foi registado na zona. A praia aguentou firme.